Livro eletrônico amplia hábito de leitura nos EUA


Muitas pessoas que compram livros eletrônicos passam a dedicar mais tempo à leitura, mostram as primeiras pesquisas sobre o assunto, num sinal encorajador para o mercado de livros. Num estudo com 1,2 mil donos de leitores de livros eletrônicos nos Estados Unidos, realizado pela Marketing and Research Resources, 40% disseram que passaram a ler mais do que com livros impressos. E 55% dos entrevistados pelo estudo, realizado em maio e financiado pela Sony , que fabrica aparelhos do tipo, acharam que vão usar o aparelho para ler ainda mais livros futuramente. O estudo analisou donos de três aparelhos: o Kindle, da Amazon, o iPad, da Apple, e o Sony Reader. Cerca de 11 milhões de americanos terão pelo menos um leitor de livro eletrônico até o fim de setembro, calcula a Forrester Research. As vendas de livros eletrônicos nos EUA cresceram 183% no primeiro semestre ante o mesmo período de 2009, segundo a Associação de Editores Americanos.

Por G. A. Fowler e M.C. Baca | Publicado originalmente em The Wall Street Journal e Valor Econômico

Um pensamento sobre “Livro eletrônico amplia hábito de leitura nos EUA

  1. Gostaria apenas de acrescentar que respondi uma pesquisa sobre hábitos de leitura após a aquisição do e-reader, feita pelo blog “I Love My Kindle”. Embora apenas cerca de 100 pessoas tenham participado, 88% afirmam que ampliaram os temas que costumavam ler. 12% informaram que não modificaram seus hábitos de leitura e, por fim, ninguém respondeu que passou a ler menos após a compra do leitor.

Os comentários estão desativados.