Amazon escreve outro capítulo em sua estratégia


Em novembro, a rede varejista on-line Amazon.com levou um pequeno grupo de agentes literários americanos a uma reunião em sua sede em Seattle para tentar tirar os arranhões de sua imagem de gigante da venda de livros indiferente aos demais atores. A reunião centrou-se em discutir o melhor momento para o lançamento de livros digitais e a estrutura de remuneração pelo produto. Executivos da Amazon não discutiram a possibilidade de negociar diretamente com autores [o que atualmente eles fazem de forma bem limitada], nem de se tornar uma editora, segundo um agente a par das conversas. Um mês depois, no entanto, “tudo isso mudou”, afirmou o agente. Em janeiro, John Sargent, executivo-chefe da Macmillan, deu um ultimato à Amazon. Sargent vinha pressionando pela mudança do contrato da Macmillan com a Amazon para o modelo conhecido como “modelo de agência”. Desde então, a Amazon vem tentando cimentar sua posição como um participante não convencional no mundo editorial, com intenção de explorar oportunidades à margem da indústria. Isso trouxe a varejista para mais perto do centro do negócio editorial, segundo agentes. “A missão da Amazon é muito ampla e abrange um grande espectro“, afirmou Robert Gottlieb, presidente do Trident Media Group, uma das principais agências literárias dos EUA. A Amazon não desencoraja as agências literárias e autores de trabalhar com as editoras, mas “o que eles vêm fazendo é dizer ‘temos outra opção’ “, afirmou Gottlieb.

Valor Econômico | 22/07/2010 | Publicado originalmente no Financial Times | Por Kenneth Li