Produção de Livros Digitais em Formato Daisy


A Abrelivros e a Câmara Brasileira do Livro convidam seus associados para o workshop sobre o formato Daisy.

O evento tem por objetivo apresentar e trazer esclarecimentos sobre os processos de produção de livros digitais em formato Daisy, com a participação de Pedro Milliet, coordenador do projeto de desenvolvimento das ferramentas Daisy e Ricardo L. Soares, gerente do Livro Digital, ambos da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

O workshop é gratuito e será realizado no próximo dia 29 de junho de 2010, das 9h00 às 12h30 no auditório do Instituto Cervantes, na Avenida Paulista, 2439, piso térreo, Bela Vista – São Paulo / SP.

As inscrições serão aceitas pelo email atendimento@cbl.org.br até o dia 25, às 12h00 ou até o encerramento das vagas. O auditório tem capacidade para 100 pessoas.

Veja a programação:

09h00 – Abertura

09h10 – Introdução: Daisy no mundo e Daisy na Fundação Dorina Nowill para Cegos

09h20 – Produção Daisy – Sistemas de produção existentes e principais etapas do processo

10h35 – Intervalo

11h00 – Produção Daisy – Didáticos – Características Especiais

CBL Informa | cbl@cbl.org.br

Concorrência faz preços de leitores de livros digitais caírem


Primeiro a rede de livrarias norte-americana Barnes & Noble anunciou nesta segunda-feira a redução de preço de seu leitor de livros eletrônicos, o Nook. A versão 3G passa de US$ 259 para US$ 199, e uma nova versão do aparelho, apenas com conectividade Wi-Fi, sai por $149.

O contra-ataque da Amazon veio no mesmo dia: o preço do Kindle caiu de US$ 259 para US$ 189.

A redução de preços é uma resposta dos fabricantes de leitores eletrônicos à ameaça crescente do tablet da Apple, o iPad. Mesmo que seja mais caro do que os leitores de e-books, o iPad, que custa a partir de US$ 500, tem uma série de funções adicionais e acessadas por um visor colorido, sensível ao toque, que contrasta com a tela estática e monocromática dos leitores de livros digitais.

Steven Jobs, executivo-chefe e fundador da Apple, disse este mês, no evento de anúncio do iPhone 4, que os proprietários do iPad tinham baixado mais de cinco milhões de livros digitais nos últimos dois meses, ou uma média 2,5 livros para cada iPad.

O número é especialmente preocupante para a Amazon, porque significa que os as pessoas estão dispostas a ler livros em um tablet que é mais pesado que o Kindle, e que tem uma tela brilhante, que pode causar fadiga ocular, diferentemente da tecnologia de tinta eletrônica usada pelo leitor da companhia.

A Sony também pode ser afetada pelos cortes de preços. Foi a primeira no mercado a lançar um e-book, o Reader, mas tem ficado para trás de seus rivais. Ela não tem o poderio de vendas on-line da Amazon e nem a presença no mercado da Barnes & Noble.

O modelo mais básico do Reader custa US$ 169, mas não tem conexão sem fio, o que pode colocar a Sony sob pressão para que ela também reduza os preços.

Folha.com | Tec | 22/06/2010-17h59

Amazon derruba o preço do Kindle enquanto o Nook toma a dianteira


O Kindle está US$ 10 mais barato que o Nook

Perto de 750 mil e-readers saíram das fábricas e foram para lojas de todo o mundo entre abril e maio deste ano, disse o Digital Research. Isso aconteceu depois que tanto Barnes & Noble quanto Amazon reduziram o preço de seus e-readers diante da competição com o iPad. O Nook superou o Kindle, totalizando 37% das unidades contra 16%. Vendas internacionais atingiram 1,43 milhões de unidades no primeiro trimestre. O Nook 3G caiu de US$ 259 para US$ 199 e o Kindle 3G, de US$ 259 para US$ 189. Espera-se que a Sony também lance um novo e-reader em julho, enquanto a Barnes & Noble vai acrescentar, ainda neste ano, um ou dois modelos entre em sua linha de produtos, disse o Digitimes Research.

The Bookseller | 22/06/2010

Bibliotecas públicas recebem computadores com internet


Cadastro para receber Telecentros Comunitários se encerra no próximo dia 25

Uma parceira entre os Ministérios da Cultura e das Comunicações vai levar computadores com internet a todas as bibliotecas públicas municipais. Pesquisa recente da Fundação Getúlio Vargas [FGV], encomendada pelo MinC, revelou que 45% dos estabelecimentos não possuem computador com internet. Aquelas que ainda não receberam o Telecentro Comunitário devem se cadastrar no site do Ministério das Comunicações até a próxima sexta-feira [25]. O acordo prevê que todas as bibliotecas públicas municipais implantadas ou modernizadas pelo Ministério da Cultura, por meio do Programa Mais Cultura, recebem o kit de instalação do Telecentro Comunitário: 11 computadores conectados à internet banda larga. A pesquisa da FGV descobriu que 420 cidades brasileiras não têm bibliotecas e o MinC está implantando o equipamento nesses municípios. A contrapartida municipal é a disponibilização do espaço físico dentro da biblioteca para instalação dos equipamentos e de monitores para atendimento ao público.

PublishNews | 22/06/2010