Amazon inclui novas funções na versão 2.5 do Kindle


No final de maio, a Amazon lançará o Kindle 2.5, uma atualização de sistema para seu leitor eletrônico. Este update só estará disponível para os modelos Kindle DX e Kindle 2; os usuários do primeiro modelo não usufruirão das novidades prometidas. O site “Ars Technica” publicou um artigo no qual descrevem as novas funções.

Uma delas é a criação e organização de coleções de livros a critério do usuário. O comando “Add to Collection” aparece no menu principal de cada livro; também será possível renomear e apagar estas coleções – neste último caso, os itens cadastrados simplesmente voltam à lista principal.

O Kindle 2.5 também passará a usar redes sociais, sendo possível associar suas contas no Twitter e Facebook para compartilhar links dos livros para seus amigos. O envio de mensagens às redes em questão não é automática, ficando a critério do usuário quando e o que mandar – o usuário também pode digitar uma passagem interessante do livro se assim quiser. Tudo isto é feito sem sair da tela de leitura.

Uma função até então ausente foi incluída na versão 2.5: a possibilidade de travar o aparelho com uma senha enquanto em modo de descanso, permitindo que somente o usuário que a souber leia seu conteúdo – e no caso de furto, dificultando bastante a vida do responsável pelo roubo, que teoricamente poderia desligar e ativar outra conta.

Outras melhorias foram realizadas, como novos e maiores tamanhos de letras para livros [exceto no formato PDF] e a função “Popular Highlights”, destacando em livros de sua coleção as citações consideradas populares pela comunidade de leitores do Kindle.

O Globo | 07/05/2010

Wikipedia no papel


A Wikipedia apresentou nesta semana uma nova funcionalidade: criar um livro. Agora, a um clique, os internautas podem criar uma publicação com o conteúdo colaborativo da enciclopédia online.

O “criador de livros” pode ser muito útil na preparação de aulas ou cartilhas, por exemplo. A ferramenta é muito simples e gera um .pdf com todos os capítulos compilados pelo usuário.

O “criador de livros” é ativado através de um link no menu à esquerda da página inicial. Quando ativado, as páginas na Wikipedia são exibidas com uma barra superior onde é possível adicionar as páginas wiki ao seu próprio livro.

Ao finalizar a escolha das páginas, é possível escolher os detalhes: capítulos, ordem das páginas, título e subtítulo.

As páginas do livro ficam exatamente como está no site: todas as referências e fotos se mantém. No final há uma página com todas as fontes e editores daquelas páginas – inclusive os créditos das imagens.

No final há duas opções: o gerador cria um .pdf ou encomendar um livro impresso. A Wikimedia tem parceia com a PediaPress, que cobra cerca de US$ 11 pela impressão de um livro de 100 páginas.

O funcionamento é muito simples e rápido – esse livro criado com os assuntos pertinentes ao Link, do Estadão, foi feito em cinco minutos.

Estadão.com.br | Por Redação Link | 7 de maio de 2010 | 17h12

Wikipedia lança recurso para criar livros com verbetes


A Wikipedia lançou nesta quinta-feira [6] um recurso que permite aos usuários criar livros com o conteúdo da enciclopédia on-line.

Na página inicial do site, há agora o botão “Criar um livro”. Depois de clicar, o internauta pode criar um livro personalizado, adicionando verbetes – pelo link “Adicionar página ao livro”. Cada vez que escolher nesta opção, o verbete em exibição no momento é adicionado. O número de páginas do exemplar é mostrado no menu ao lado esquerdo da tela e atualizado automaticamente.

As páginas do livro podem ser organizadas em capítulos, trocadas de ordem ou excluídas. Ao terminá-lo, o usuário pode ainda escolher o título de sua obra. O livro pronto pode ser salvo em PDF, compartilhado com amigos na rede ou até mesmo impresso.

A editora PediaPress é responsável pelas versões impressas. Ao escolher essa opção, o usuário é redirecionado para o site da companhia, no qual pode customizar a capa, escolhendo a cor, título, subtítulo e imagem de sua preferência.

Uma página de ajuda da Wikipedia traz mais informações para quem quiser criar seus livros com conteúdo do site.

G1 | 07/05/2010

Ediouro premiará internautas


A Ediouro, através do selo Coquetel, está promovendo um Concurso Cultural que vai premiar 30 internautas com um exemplar do livro O amor do pequeno príncipe: cartas a uma desconhecida e com um kit de Revistas de passatempos Coquetel. A promoção vai até 26 de agosto. Para concorrer, os participantes deverão acessar o site do Coquetel, fazer o cadastro e responder à pergunta: Como você declararia seu amor a um desconhecido? No título inédito de Antoine Saint-Exupéry ele nos revela uma bela história de amor, contada em cartas assinadas pelo seu personagem mais famoso. O livro traz, ainda, aquarelas inéditas, revelando imagens de um Pequeno Príncipe apaixonado. Os nomes dos ganhadores serão divulgados no próprio site e os prêmios entregues em qualquer lugar do País.

PublishNews | 07/05/2009

Tribunal isenta livros eletrônicos de tributos


A editora de uma tradicional escola de inglês paulista conseguiu na Justiça uma liminar que a libera do pagamento de Imposto de Renda [IR] e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido [CSLL] relativos à comercialização de livros em CDs e DVDs. A liminar é um precedente importante, principalmente em relação à CSLL, por ser uma das primeiras nesse sentido.

Além disso, com a chegada de livros eletrônicos ao mercado brasileiro a discussão desse tipo de tributação torna-se ainda mais relevante. A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional [PGFN] recorreu da decisão, mas ainda aguarda julgamento.

A Constituição Federal proíbe que a União, os Estados ou municípios instituam impostos sobre “livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão“. Assim, a imunidade em relação ao IR sobre livros em papel é pacífica. Mas sobre mídias eletrônicas ainda não. Em decisões monocráticas, o Supremo Tribunal Federal [STF] tem entendido que não há imunidade sobre mídias eletrônicas. Em recente decisão, o ministro Dias Toffoli declarou que a jurisprudência da Corte é no sentido de que a imunidade do IR só valeria para os livros em papel.

No processo, o desembargador Nery Júnior decidiu pela isenção, considerando a finalidade do dispositivo constitucional. “A norma que prevê a imunidade visa facilitar a difusão das informações e cultura, garantindo a liberdade de comunicação e pensamento alcançando os vídeos, fitas-cassetes, CD-Rom, entre outros“, disse.

Ao reacender a polêmica, a recente decisão pode levar a discussão para o Pleno do Supremo. É o que defende o advogado José Fernando Cedeño de Barros, do escritório Sant’Anna e Cedeño Advogados, que representa a editora na causa. “A interpretação é extensiva aos livros eletrônicos. Não importa o suporte comercial”, diz. O impacto no crescente mercado de livros eletrônicos também pode influenciar, avalia o advogado. “No Brasil, o custo de um livro de inglês em papel varia de R$ 80 a R$ 100. O eletrônico custa no máximo R$ 12.” A PGFN recorreu e defende que a liminar não analisou a questão de que a Constituição só fala em imunidade de impostos e não de contribuições. “Além disso, a Constituição só prevê imunidade em relação a livros em papel, eletrônicos não”, argumenta a procuradora-chefe regional Juliana Furtado Costa Araújo. Segundo o advogado Eduardo Botelho Kiralyhegy, do Negreiro, Medeiros & Kiralyhegy Advogados, no TRF da 4ª Região também há decisões favoráveis à imunidade do IR sobre mídias eletrônicas. “Mas em relação à CSLL, a liminar é inusitada“, diz.

Valor Econômico | 07/05/2010 | Laura Ignácio

Crônica eletrônica


Mais que a poesia, o romance e o conto, o gênero praticado por quem quer registrar o que ocorre no cotidiano predomina nos blogs brasileiros

Quando começaram a se tornar conhecidos, há cerca de dez anos, muitos blogs não passavam de versões virtuais de “diários”. Alguns apresentavam veia mais literária, e aos poucos se formou uma aura um tanto mítica em torno de uma literatura praticadazem blogs, considerados fonte promissora de talentos. Desde meados da década passada, porém, a ferramenta teve sua utilização ampliada para fins informativos e institucionais, o que ofuscou em grande parte a preponderância literária. Agora, uma nova e inédita pesquisa com 700 blogs literários independentes no país – não abrigados, portanto, em nenhum grande portal – revela a persistência e a importância das expressões literárias espontâneas na internet. Realizada sob a coordenação do professor Fábio Malini, da Universidade Federal do Espírito Santo [Ufes], ela mostra que o gênero preferido pelos blogueiros é a crônica [40%], seguido pela poesia [32%]. “Esse resultado me surpreendeu, porque eu sempre lia muita poesia em blogs literários. O dado me chamou a atenção e se relaciona ao fato de os blogs terem surgido da necessidade de denúncia e relato do cotidiano. Faz parte da ética blogueira usar a ferramenta como forma de combate e humor, mostrando uma visão mais refinada do dia a dia“, afirma Malini, que apresentará o trabalho no XV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste [Intercom], entre os dias 13 e 15, em Vitória.

Valor Econômico | 07/05/2010 | Rachel Bertol

Editores negociam a “nova ordem mundial” com o Google


Para Evan Schittman, atraso não tem relação com o interesse das editoras e elas esperam ansiosamente pelo novo programa

Editores americanos estão no meio das negociações com o Google sobre a entrada no programacompre em qualquer lugar, leia em qualquer lugar” da gigante da internet, que parece ter sido empurrado um pouco para trás. Um porta-voz do Google disse ao The Bookseller que o anúncio de que o lançamento seria feito em junho ou julho não foram cravados na pedra. O vice-presidente para o desenvolvimento de negócios globais da Oxford University Press, Evan Schittman, disse que o atraso veio a despeito do entusiasmo das editoras para com o programa. “Há muito trabalho lá”, ele disse. “Não é um contrato simples porque não é um programa simples – mas ele vai oferecer muita coisa, e como editora nós queremos estar lá”. Ele completou: “Muitos editores não estão apenas no meio das negociações com o Google, mas também com a Apple e com a Amazon – esta é a nova ordem mundial”.

The Bookseller | 07/05/2010 | Catherine Neilan

Tools of Change volta a Frankfurt


Edição europeia do encontro sobre tecnologia voltada ao mercado editorial será realizada na véspera da abertura da Feira do Livro de Frankfurt, em 5 de outubro

Depois do sucesso da primeira edição no ano passado, o Tools of Change for Publishing [TOC] Frankfurt vai voltar à Europa no dia 5 de outubro, a véspera da Feira do Livro de Frankfurt, que acontece de 6 a 10 de outubro. “Os desafios para os editores bem como as oportunidades nunca foram maiores”, disse Andrew Savikas, vice-presidente para assuntos digitais da O’Reilly Media. As inscrições já estão abertas e têm desconto até 31 de maio. Co-organizado pela Feira do Livro de Frankfurt e pela O’Reilly Media, o TOC Frankfurt terá um dia inteiro de palestras e paineis sobre os assuntos mais atuais para o mercado editorial. No ano passado, mais 350 profissionais de 30 países participaram da edição alemã do TOC. A programação ainda não está pronta, mas em breve poderá ser conferida no site do evento.

PublishNews | 07/05/2010