Livraria Google


Pensou que o Google digitalizaria todos aqueles livros fora de catálogo ou em domínio público e não ganharia nada com isso? Que nada. A empresa anunciou hoje que começará, entre junho e julho, a vender edições digitais das obras por meio de seu mecanismo de busca de livros.

O serviço se chamará Google Editions e visará, principalmente, as grandes editoras. Mas, aparentemente, permitirá também que pequenas livrarias e editoras independentes possam ganhar uma porcentagem dos lucros das compras digitais, se colocarem a ferramenta em seus próprios sites.

Se ao lançar o Nexus One a empresa queria roubar um pedaço do mercado do iPhone, agora ela mira a iBook Store, atrelada ao iPad, e também Amazon e Barnes & Noble, que também investem na venda de e-books.

O anúncio do novo produto foi feito na noite de segunda-feira, pelo executivo Chris Palma, em um painel que discutia planos de publicação na nuvem. Segundo ele, o Google já vinha pensando nisso há pelo menos um ano e acha que agora é a hora certa de começar.

A companhia se diferenciará das concorrentes, disse ele, permitindo que os livros sejam acessados em praticamente qualquer dispositivo. Espera-se que a loja conte com acervo de 400 mil a 600 mil livros.

Por Rafael Cabral | Link do Estadão | 4 de maio de 2010 | 21h00

Leitor é convidado a entrar na era da transmedia


Parceria entre a vieira & lent, Blooks Livraria e a Gato Sabido levará ao leitor todos os formatos de leitura simultaneamente

A vieira & lent casa editorial, no mercado desde 2002 e reconhecida pelas edições de divulgação científica, lança nesta quarta-feira [5], às 19h, na Blooks Livraria [Praia de Botafogo, 316 – Rio de Janeiro/RJ. Tel.: 21 2559 – 8776], o primeiro livro pelo recém-criado selo colofon, cuja ideia é publicar literatura contemporânea lusófona e ibero-americana simultaneamente em várias plataformas: impresso, e-book e mobilebook.

Último trem [304 pp., R$ 42 / R$ 20 – e-book], de Marcos Simas, já tem um hotsite onde o leitor encontra informações complementares às dadas no livro. Por exemplo, ao longo da narrativa a vida do protagonista Miguel se confunde com cenas, trechos e falas dos clássicos do cinema. E no site ele encontrará todas as informações sobre essas obras e vai poder assistir a alguns trechos. Interatividade com o leitor é o conceito.

O autor dá vida aos personagens no meio virtual pelas redes sociais. Promoções incentivam os leitores a criar conteúdo multimídia sobre o livro. Pioneiro, o lançamento simultâneo nessas plataformas todas é fruto de uma parceria entre a editora, a Blooks Livraria e a Gato Sabido.

Sobre o livro
A história se passa nos anos 1990, período negro da Era Collor. Além da crise econômica, frustração também no mercado cinematográfico nacional com o fechamento da Embrafilmes. Miguel, criado no Cine Vera Cruz, só conhece a vida pelos clássicos que projetou por mais de cinquenta anos, e sua relação com a realidade se confunde com a dos filmes. Mas a crise fecha o Vera Cruz e Miguel é obrigado a enfrentar o mundo fora das telas. Conhece a bela Angelina encenando Carlitos numa praça. Ainda envolto em suas memórias, fica encantado. Após um trágico incidente, o velho projecionista e a jovem atriz, aliados fraternos, enfrentam as adversidades da vida real para levar ao interior do país a magia do cinema. Um sonho, um projetor antigo e uma sacola com latas de cenas de filmes, mudam o rumo e o sentido de muitas vidas.

Sobre o autor
Marco Simas é escritor, roteirista e professor de cinema. Como diretor, realizou vários curtas, entre eles, a adaptação de um conto de Roberto Drummond, “Com o andar de Robert Taylor [1988]”, premiado como melhor direção, ator, fotografia e música no Rio Cine Festival. Participou ativamente da criação da revista literária Bagatelas!, publicação impressa de jovens escritores durante o boom da literatura na internet nos anos 2000. Com o pseudônimo de Antonio Más, em 2007, publicou o romance policial Bárbara não quer perdão.

PublishNews | 04/05/2010

Apple já vendeu 1,5 mi eBooks


Além disso, vendeu um milhão de iPads e mais de 12 milhões de aplicativos

A Apple anunciou a venda de seu iPad de número um milhão na última sexta-feira [30], 28 dias depois dele ter começado a ser vendido. Os usuários já fizeram o download de mais de 12 mi de aplicativos e mais de 1,5 mi de e-books. “Um milhão de iPads em 28 dias – isso é menos da metade dos 74 dias que levamos para chegar ao milionésimo iPhone”, disse Steve Jobs. O dia do anúncio deste recorde foi marcado também pelo início das vendas do iPad 3G.

PublishNews | 04/05/2010

Google vai começar a vender livros digitais


Vendas devem começar no final de junho ou início de julho, disse um representante da empresa

O Google vai começar a vender livros digitais no final de junho ou início de julho, disse um representante da empresa nesta terça-feira, abrindo espaço para uma batalha da gigante da internet com a Amazon.com e a Apple.

Chris Palma, que trabalha com o desenvolvimento de parcerias estratégicas para o Google, anunciou o cronograma em um painel sobre os planos do Google patrocinado pelo Grupo de Estudo da Indústria do Livro. O evento, que aconteceu nos escritórios da Random House em Nova York, tem o tema “O livro no Google: O futuro do mercado editorial está nublado?“.

O Google tem discutido suas visões sobre a distribuição de livros online há mais de um ano. A empresa tenta se diferenciar de operadores como a Amazon.com ao permitir que os usuários acessem livros de um grande leque de sites usando vários aparelhos.

O Google diz que seu novo serviço – batizado de Edições Google – permitirá que os usuários comprem cópias digitais de livros que eles encontram por meio do serviço de busca. Também vai permitir que livrarias vendam as Edições Google em seus próprios sites, ficando com a maior parte da renda. O Google ainda precisa divulgar detalhes sobre preços e que editoras devem participar.

O projeto é a tentativa do Google de entrar de vez no mercado de distribuição de trabalhos atuais e de catálogos antigos, que representam a maior parte das vendas do setor. Separadamente, a gigante da busca está tentando ganhar os direitos para distribuir milhões de livros de edições esgotadas por meio do seu acordo de livros digitais com autores e editoras. O juiz da Corte Distrital dos Estados Unidos Denny Chin deve analisar esse caso em breve. As informações são da Dow Jones.

Agência Estado | 04/05/2010 |  Álvaro Campos

Google anuncia que vai vender livros digitais em julho


O Google vai vender livros digitais no final de junho ou julho, segundo informou um representante da companhia nesta terça-feira [4].

De acordo com o diário norte-americano “Wall Street Journal”, o movimento insere a companhia em uma batalha que já envolve Amazon, Apple e Barnes & Noble.

Chris Palma, gerente de desenvolvimento de parcerias estratégicas do Google, anunciou o novo negócio em um evento que ocorreu em Nova York.

A companhia afirma que o novo serviço, cujo nome é Google Editions, vai permitir que usuários comprem cópias digitais de livros a partir de um serviço de busca de edições.

Varejistas e lojistas independentes também vão vender o Google Editions nos respectivos sites, afirma a companhia.

Folha Online | 04/05/2010 – 17h31