Editoras apostam seu futuro em iPad que ainda não viram


Editoras de jornais e revistas estão apostando no iPad da Apple para dar o arranque em uma forma de transição comercialmente viável para a digitalização de suas publicações –apesar de apenas uns poucos executivos terem chegado a colocar as mãos no aparelho, a poucos dias de o produto chegar às prateleiras.

Inclusive, muitos grupos de comunicação provavelmente não anunciarão aplicativos próprios para o iPad enquanto o tablet não chegar às lojas nos Estados Unidos, o que deve ocorrer neste sábado [3], devido a várias restrições de acesso ao aparelho impostas pela Apple sobre seus parceiros.

Embora o conteúdo seja essencial para o sucesso do iPad – um computador tablet de 9,7 polegadas, que mais parece um iPhone gigante que busca integrar o nicho do mercado entre um smartphone e um notebook–, a Apple tem guardado seus planos a sete chaves.

Executivos do setor afirmam ter testado o aparelho ou na sede da Apple, na Califórnia, ou em outro local, mas apenas sob medidas de segurança extremamente restritivas.

Nos ofereceram a oportunidade de ter um iPad no prédio, mas as implicações à segurança eram tantas que simplesmente não valia a pena“, disse o dono de uma editora que pediu para não ser identificado.

Apenas alguns felizardos receberam pessoalmente o presidente-executivo da Apple, Steve Jobs, que esteve em Nova York no começo do ano para promover o iPad para grupos como o “Wall Street Journal” e o “New York Times”.

Tela colorida

Apesar das restrições, a tela colorida sensível a toque do iPad é considerada seu grande diferencial para atrair grupos de comunicação, que há tempos lutam para ganhar dinheiro com conteúdo digital, ao qual a maioria dos consumidores esperam ter acesso gratuitamente, ou, no mínimo, a um preço muito baixo.

Agora, as editoras veem no aparelho uma nova chance para acertar um modelo de negócios eletrônico -além de ganhar maior poder para negociar licenciamento, caso o iPad surja como um rival à altura do Kindle, da Amazon.com.

Todos nós sofremos nessa indústria para encontrar um modelo on-line bem-sucedido em termos de conteúdo e da inclinação do consumidor em pagar por ele“, disse recentemente o presidente-executivo da Penguin Books, John Makinson.

“Pessoalmente, acho que o iPad representa uma primeira oportunidade real de criar um modelo de conteúdo pago que será atraente para o consumidor. E acho que a psicologia do conteúdo pago no tablet é diferente da psicologia do conteúdo pago em computadores pessoais.”

Um total de 30% da receita da Penguin com vendas de livros digitais para o iPad ficará com a Apple, o que, para Makinson, é melhor que os atuais 50% normalmente cobrados por livrarias e varejistas, incluindo a Amazon.com.

YINKA ADEGOKE e GEORGINA PRODHAN | da Reuters, em Nova York | 01/04/2010 – 10h33