Vendas de eBooks devem dobrar em 2010


Empresas apostam em crescimento do mercado e lançam novos modelos

LAS VEGAS  – Esta semana, cerca de 20 fabricantes de eletrônicos ou comerciantes de material de leitura estão demonstrando e-readers na Consumer Electronics Show, que pela primeira vez tem uma seção dedicada ao produto.

Os eBooks ainda representam uma pequena parcela das vendas de livros, mas sua popularidade está crescendo rapidamente.

De acordo com a Consumer Electronics Association, que organiza o evento, 2,2 milhões de e-readers foram distribuidos para as lojas em 2009, quase quatro vezes o volume do ano anterior. Este ano, o grupo espera que o número chegue a 5 milhões.

Os e-readers da Sony e outras companhias apareceram no mercado antes do Kindle, da Amazon, em 2007. Mas o Kindle foi o primeiro que ofereceu download sem fio de livros, facilitando as compras por impulso.

Desde a estreia do Kindle a US$ 399, a Amazon baixou o preço para US$ 259 e atraiu compradores com material barato, como lançamentos por US$ 10. No dia de Natal, a Amazon vendeu mais e-books do que cópias físicas pela primeira vez.

Para acompanhar, a Barnes & Noble lançou o Nook, por US$ 259 Nook, e a Sony permaneceu no jogo com seu Readers, com um modelo básico por US$ 200. Cada um oferece centenas de milhares de títulos com apenas alguns exclusivos – os editores mostraram pouco interesse em favorecer um ou outro equipamento.

Agora, outras empresas estão entrando no jogo. A Samsung é uma delas e anunciou um leitor para este ano. Outras companhias de menor porte e alcance local nos EUA também estão presentes na feira demonstrando seus modelos.

INFO Online – Copyright © 2009, Editora Abril S.

ASexta-feira, 08 de janeiro de 2010 – 10h18

Bringing Color to E-Readers


One of the hot topics at the Consumer Electronics Show [CES] this week in Las Vegas is color e-readers, with several companies showcasing new products. While E-Ink has been a leader in e-reader display technology, the company has yet to produce a color display capable of showing video, and the next generation of devices could threaten E-Ink’s dominance.

E-Ink’s monochrome screens are made up of microcapsules full of positively charged white particles and negatively charged black particles. Applying a negative charge causes a pixel containing the particles to appear white, while a positive charge results in a black appearance. Color versions use the same basic technology, but with colored filters added. Unfortunately, these filters tend to reduce the brightness of the display, leading to a washed out appearance.

Companies such as Pixel Qi, Qualcomm MEMS Technologies, Liquavista, and Kent Displays all have new ideas about the best way to make a good color screen for an e-reader, and they are eager to get in the game.

This morning at the CES, Pixel Qi demonstrated its new display technology, targeted for use in netbooks, e-readers, and tablets. In high-power mode, the 10.1-inch display acts like a traditional LCD screen: a backlight provides light that is filtered by red, green, and blue sub-pixels to create desired colors. However, the display also has a low-power mode. In this mode the backlight is turned off, and reflective, mirror-like, elements–placed alongside the red, green, and, blue subpixels–take over the job of displaying the image, now in black and white. [How these elements are operated and distributed across the screen is being kept secret by Pixel Qi.]

Switching from the backlit mode, to the reflective one drops the display’s power consumption from 2.5 Watts to 0.5 Watts. This is for a refresh rate of 60 Hz–fast enough to display video. Pixel Qi claims that using software to put the display into an e-reader mode–suitable for reading text, where the screen might only update ten times a second–could drop the power consumption to as low as 100 milliwatts. The displays are currently in mass production and a number of device manufacturers are expected to announce products incorporating Pixel Qi’s display shortly.

This is the year where you’re going to see some very interesting designs come to market,” says Jim Cathey, vice president of business development for Qualcomm MEMS Technologies. “I don’t think they’ll even be called e-readers in the near future.” With a myriad of features such as Web access, e-mail, and e-reader programs, these products will be known as smart devices, he says.

Qualcomm’s Mirasol screens can handle all of those applications and even display video. Much like E-Ink screens, Marisol displays are reflective and require little to no power until the on-screen content needs to change. A little ambient light is also all that’s needed to see the screen. These displays are consequently ideal for a task such as reading, when the screen doesn’t have to change very often. But the Qualcomm device differs greatly when it comes to other applications, such as video or text messaging, that require frequent changes on screen. In those scenarios, Cathey says, Marisol’s displays perform much better than E-Ink’s because they require less power per screen change. “As the content changes, the user experience changes and so do the requirements,” he says.

Mirasol screens, which are expected to appear in e-readers later this year, are composed of Interferometric Modulator [IMOD] elements. Each element is made of two conductive plates. One is a thin film stack on top of a glass substrate, and the other has a reflective membrane. The height of the air gap between the plates determines the color of light that is reflected from the IMOD. When a voltage is applied, the plates are drawn together by electrostatic forces and the element goes black. When the voltage is removed, the plates separate and color is reflected off the IMOD. A single pixel is made up of several IMODs; adjusting the height of each affects the overall color of the pixel. The plates stay in place, using almost no energy, until the color needs to change again. A plate only has to move a few hundred nanometers to change color and can do it in tens of microseconds–fast enough to show video.

The LCD-based screens from Kent Displays feature technology that is very different. “Our material is transparent, so we can put three layers on top of each other,” explains Asad Kahn, the company’s chief technology officer. “One is red, one is green, and one is blue.” In contrast, IMOD elements have to be placed side by side. Kahn says the layering approach ultimately leads to a brighter display. And unlike Qualcomm, Kent’s technology is already on sale. The Fujitsu FLEPia color e-reader, released last spring, features the screens. Unfortunately, the refresh rates aren’t yet fast enough for video.

Liquavista announced two color e-reader screens of its own this week. Both the LiquavistaColor and the LiquavistaVivid are readable in sunlight, but the latter will also include a backlight for more vibrant hues. The screens are slated for release in 2010 and 2011, respectively. The LCD devices are based on a technique called electrowetting, in which a voltage is used to modify the surface tension of colored oil on a solid substrate. In the absence of a voltage, the oil forms a film over the substrate and is visible to the viewer. When a voltage is applied, the pixel becomes transparent. By controlling the voltage of each pixel independently, a picture can be displayed. Unlike E-Ink’s technology, electrowetting pixels can be switched in a few milliseconds, making them suitable for showing video.

With so many video-capable e-reader screens on the horizon, E-Ink has decided to focus solely on one application: reading. But its upcoming devices will feature color screens. Sri Peruvemba, the vice president of marketing at E-Ink, says the company will have color devices out by the end of next year. Unfortunately, the refresh rates are too slow for video. “We have animation that we can do today, but we can’t do full video speed,” Peruvemba says.

So while their competitors will likely slice up the market for smart devices with Internet and video capabilities, E-Ink plans to go after the education market. The company will make “dedicated” e-readers for computer textbooks, Peruvemba says, adding that the color should add to the experience. But the devices will intentionally omit any distracting applications, such as a phone or Web browser.

If I give one of these devices to my daughter and I know she’s going to make phone calls on it and surf the Internet on it, I’m not going to be motivated to buy it for her,” he says.

Technology Review – By Rachel Kremen – Friday, January 08, 2010

Aparelhos multifunção ameaçam os leitores digitais


Esta semana, a Feira dos Produtos Eletrônicos de Consumo de Las Vegas transformou-se em algo parecido com uma festa de debutantes para um aparelho que começou a fazer parte da consciência coletiva no ano passado, depois que o Kindle da Amazon se deparou com um número crescente de concorrentes que incluem aparelhos da Barnes & Noble e da Sony. Nesta quinta-feira, houve o lançamento do Que proReader para usuários de negócios – um projeto baseado em uma tecnologia desenvolvida na Universidade de Cambridge ao longo de dez anos. Com preços entre US$ 649 e US$ 799, e entrega em abril, o aparelho da Plastic Logic se colocou no topo de uma categoria que está sendo rapidamente preenchida por equipamentos voltados para muitos tipos diferentes de leitores. Com telas maiores, do tamanho de uma folha de papel A4, o Que e um outro aparelho que está sendo exibido em Las Vegas, o Skiff, da editora jornalística Hearst, carregam as esperanças das companhias jornalísticas. Para essas editoras, os aparelhos oferecem a primeira chance de veicular conteúdo digital em um formato maior, para leitores que estão em trânsito.

Valor Econômico – 08/01/2010 – Por Richard Waters, Financial Times

Apple pode lançar tablet no 2º trimestre


As fornecedoras da Apple para o novo tablet da empresa começaram a fazer entregas de painéis touchscreen e devem começar a distribuir as capas de alumínio do aparelho para o mês que vem, afirmaram fontes, indicando a possibilidade de que o produto seja lançado no segundo trimestre. A AVY Precision Technology, fabricante taiwanesa de capas para produtos eletrônicos, irá iniciar a produção em fevereiro, disseram duas fontes próximas ao caso nesta sexta-feira. Já a TPK Solutions, empresa de capital privado também taiwanesa, fabricante de painéis touchscreen, irá fornecer telas para o produto, segundo uma terceira fonte, além das que já estão sendo fabricadas por outra companhia taiwanesa, a Wintek. “A produção das capas começará em fevereiro, portanto, tudo aponta, no momento, para um lançamento no segundo trimestre“, disse uma das fontes.

Reuters – 08/01/2010 – Por Kelvin Soh

Asus mostra dispositivos conceitos contruídos com tela OLED flexível


Entre as novidades estão um netbook dobrável, tela para usar no pulso e uma TV de 47 polegadas.

A fabricante asiática Asus apresentou nesta quinta-feira [7/1], no CES 2010, novos design para alguns dos equipamentos que fabrica e que podem trazer em breve aplicações para telas OLED flexíveis. Entre eles estão um netbook dobrável, tela de pulso e ainda uma TV LED de 47 polegadas.

O netbook conceito terá duas telas touch de 9 polegadas, uma delas localizada onde  normalmente estaria o teclado, que não existe como dispositivo físico. O netbook pode ser totalmente desdobrado para assumir a forma de um tablet com uma tela única.

Um representante da empresa afirmou que a ideia é usar tecnologia OLED para permitir que a tela possa ser flexível.

O equipamento ainda é um protótipo e a fabricante não revelou planos de se nem quando ele pode se tornar um produto comercial.

Outro dispositivo com tela OELD flexível foi um relógio de pulso que consiste em um display de cerca de duas polegadas para ser usado ao redor do pulso com funções, claro, de relógio e outras aplicações interativas.

A Asus demonstrou ainda um protótipo de TV LED de 47 polegadas com alto-falantes destacáveis que podem ser removidos para ocupar menos espaço.

IDG News Service | 08-01-2010

Com multimídia, tablets devem estimular leitura de jornais on-line


Tablets são os “salvadores” da vez das empresas de comunicação. Com tela colorida e sensível ao toque, navegação pela web sem fio, além da capacidade de leitor eletrônico de livros e jornais, as pranchetas digitas são uma espécie de nova esperança do mercado.

É o que afirma um estudo divulgado pelo site Media Buyer Plannernesta quinta-feira [7].

Apple prevê lançar seu tablet no fim de janeiro, mas, durante a feira Consumer Electronics Show [CES], em Las Vegas, empresas como a Microsoft com a HP, DellMotorola se adiantaram e mostraram seus próprios modelos.

No entanto, como estes aparelhos devem custar em torno de US$ 1.000, podem não ser considerados itens “obrigatórios” para muitos consumidores. Além disso, e-readers como o Kindle, da Amazon, possuem bateria de maior duração.

Para aproveitar melhor o potencial de sucesso nos tablets e e-readers, os editores de jornais poderiam abraçar completamente a produção de conteúdo multimídia e distribuição por multiplataformas, indica o blog Innovations in Newspapers.

Leitores educados

Os jornais devem solidificar a audiência em leitores eletrônicos à medida que usuários do dispositivo tiverem mais educação e renda –o que significa que jornais ainda serão capazes de atrair anunciantes das classes A e B.

De acordo com pesquisa conduzida pelo Mediamark Research & Intelligence, usuários do e-reader têm 11% mais chances de ter casa própria, em relação ao adulto médio; também têm 87% mais probabilidade de renda familiar superior a US$ 100 mil; e é 111% mais provável que eles tenham formação universitária ou pós-graduação, ainda em relação ao adulto médio.

Esclarecidos, os usuários da atual geração de leitores eletrônicos são altamente educados, sofisticados e conectados“, aponta Anne Marie Kelly, analista de marketing e planejamento estratégico da Mediamark.

A pesquisa indica ainda que por volta de seis milhões de e-readers devem ser vendidos neste ano, de acordo com projeção anterior, feita pela empresa de pesquisas Forrester.

da Folha Online – 08/01/2010 – 15h37

Sebos na era digital


Os sebos encontraram na internet uma aliada poderosa para continuarem sendo uma opção na busca de livros baratos, raros e, na maioria das vezes, conservados. Os internautas dispõem na rede várias opções onde podem garimpar obras literárias em todo o país. O site Estante Virtual é uma delas. Criado em 2005, já tem 1.619 sebos cadastrados em 307 cidades, e cerca de 5 milhões de livros. O site funciona como um mediador entre o comprador e o vendedor. Todas as negociações, como o preço do frete e detalhes sobre o estado de conservação dos livros, são feitas diretamente com o dono do sebo escolhido.

É uma tendência do mercado que não dá para desprezar”, afirma Cida Caldas, dona do Sebinho, um dos estabelecimentos cadastrados pelo Estante Virtual.

Para o analista de sistemas Guilherme Ávila, 50 anos, um assíduo comprador via internet, o procedimento para adquirir livros é prático e confiável. No entanto, quando o assunto é a preferência entre as lojas físicas e as virtuais, ele desconversa. “Às vezes, preferimos assistir a um filme em casa, outras vezes, no cinema. Depende do momento também no caso dos sebos”, afirma.

Dois outros sites oferecem o mesmo serviço, mas com menos opções de publicações e sebos. No Sebo OnLine, o usuário pode procurar entre 36 mil livros. Já o SebosOnline.com conta com pesquisa em 300 estabelecimentos do Brasil, além de vender CDs, DVDs, VHS e até discos de vinil. As duas páginas na web realizam apenas a mediação entre os usuários, e não se responsabilizam pelas compras.

Na tentativa de alertar o consumidor quanto aos maus prestadores de serviços, os sites oferecem um espaço para avaliações, onde os usuários podem deixar sua opinião sobre o serviço prestado. Ao receberem as notas, os donos dos sebos podem agradecer e responder às reclamações dos consumidores.

Para quem não quer gastar, mas pretende se desfazer ou trocar obras com outras pessoas, há sites como o Trocando Livros, em que os usuários relacionam as itens que têm interesse em trocar. São permitidos apenas livros em bom estado de conservação. Quando outro usuário se interessar pelas obras cadastradas, o sistema envia um e-mail com todas as instruções para o envio do pedido. Em seguida, basta entrar no site e confirmar a remessa do produto. Com isso, o internauta ganha um crédito e poderá requisitar o livro de outra pessoa.

A Notícia – SC – 08/01/2010

Tablet conceito da Dell roda Android


O clima da CES 2010 já dá indícios de que a guerra dos sistemas operacionais começará a ganhar corpo também entre os novos tablets [ou slates, como estão sendo chamados em Las Vegas]. Ontem foi a vez da Dell mostrar o protótipo de seu tablet que (tchanran!) roda Android.

As fotos (ou desenhos) oficiais do produto foram divulgadas exatamente um dia depois do próprio Steve Ballmer,  CEO da Microsoft, revelar o tablet filhote do casamento da HP com a Microsoft.

Bem, como era de se esperar de um produto conceito, a Dell não apresentou todas as suas especificações. Mas, sabe-se que ele terá tela sensível ao toque de 5 polegada e provavelmente, será batizado de Streak.

Agora, enquanto essas gigantes do hardware ficam brigando para chamar a atenção com suas principais tendências na CES,  a Apple (sempre ela) patenteou um sistema que pode estar na próxima geração de telas  sensíveis ao toque.

A tecnologia, divulgada ontem pelo governo americano, permitiria o desenvolvimento de dispositivos, como tablets, ainda mais finos. Se isso sair do papel, a discussão logo, logo será outra. Dedos cruzados, minha gente!

Patente da Apple possibilitaria tablets mais finos

INFO Online » Blogs » Gadgets INFO, sexta-feira, 8 de janeiro de 2010 – 9:00