Parceria com Babylon


Com investimento de R$ 100 mil, a Campus-Elsevier lança em seu site o primeiro dicionário de negócios [inglês-português / português-inglês] em parceria com o Babylon. Disponível em http://www.elsevier.com.br/solucoeseletronicas ao custo de R$ 49,90, o dicionário traz, entre outras facilidades, expressões típicas do mundo dos negócios, exemplos de utilização de palavras e frases contextualizadas, função “say it” para conhecimento de pronúncia, tradutor de páginas da Internet e de documentos do Word e conteúdo completo do livro Inglês para Negócios, de Cristina Schumacher e Guilherme Barum, com mais de 1.700 termos. Além de oferecer um pacote completo para quem precisa do inglês no ambiente profissional, o Dicionário on-line de inglês para negócios vem ainda com um ano de licença do programa Babylon totalmente grátis.

PublishNews – 27/11/2009 – Por Redação

Ministro francês quer que UE enfrente Google sobre livros


França: Membros da União Europeia querem criar um projeto conjunto sobre a digitalização de livros, afirmou o ministro da Cultura da França, Frederic Mitterrand. A ideia é competir com os planos do Google de criar uma gigantesca biblioteca digital.

Ministros da UE concordaram em criar um comitê de “homens sábios” para elaborarem um plano em Bruxelas, disse Mitterrand em entrevista ao diário francês Journal du Dimanche que deve ser publicada no sábado.

Miterrand também afirmou que a digitalização de livros não deve ser deixada a empresas privadas, e que os governos devem elaborar políticas apropriadas para lidar com o assunto.

O comitê receberá a missão de trazer as visões de cada país e esboçar uma posição conjunta“, disse ao jornal.

Os planos do Google de escanear milhões de livros e colocar trechos destes na Internet faz parte de um acordo feito com o Authors Guild dos Estados Unidos. O plano tem sido elogiado por dar amplo acesso a livros, mas também foi criticado por razões de antitruste, direitos autorais e violação de privacidade.

Questionado se os ministros europeus eram a favor do acordo do Google, Mitterrand afirmou que não poderia fazer comentários no momento.

Da minha parte não há antiamericanismo. Mesmo assim, creio que os EUA não são um monolito, e opiniões diferentes devem ser manifestadas. É por isso que não quero que o Estado se submeta aos mercados“, disse.

Não depende desse ou daquele grupo privado decidir sobre políticas em um assunto tão importante quanto a digitalização de nosso patrimônio global. Não vou deixar que essa decisão dependa de um simple laissez-faire“, acrescentou.

Sophie Hardach – Reuters – 27/11/2009