iPhone desafia Kindle


iPhoneO iPhone pode tomar uma parte da fatia de mercado do Kindle. Segundo uma pesquisa apresentada em San Francisco pela Flurry, uma avalanche de aplicativos de livros tomou conta da App Store em outubro e pela primeira vez a quantidade de apps para livros ultrapassou o número de games disponíveis na App Store – para cada 5 aplicativos lançados para o iPhone, 1 era de livro.

The Bookseller – 03/11/2009 – Por The Bookseller

Vendas online no Natal devem aumentar 8%


As vendas online nos Estados Unidos devem crescer 8 por cento neste Natal, com o melhor desempenho vindo de varejistas de massa que oferecem descontos, segundo pesquisa da Forrester Research.

O centro de estudos afirmou na segunda-feira [2] que prevê que as vendas de varejo online em novembro e dezembro cheguem aos 44,7 bilhões de dólares este ano, ante os 41,4 bilhões registrados em 2008, o que gera um pouco de otimismo no mercado varejista, que deve ver uma queda no total de vendas do período.

Apesar dos efeitos remanescentes da crise financeira global, o espaço online continua sendo o motor de crescimento do mercado varejista“, disse a Forrester em relatório.

No ano passado, o total de vendas na época de Natal nos EUA teve seu pior desempenho em quase quatro décadas após consumidores cortarem suas despesas devido à crise financeira. Vendas online cresceram apenas 5 por cento no último Natal, quebrando uma onda de ganhos consecutivos, segundo a Forrester.

Este ano, com consumidores lutando com a alta no desemprego e o difícil acesso ao crédito, varejistas estão se preparando para outra temporada de Natal difícil. A Federação Nacional do Varejo prevê que as vendas totais no período devem cair 1 por cento.

Ao longo do ano, consumidores têm trocado por lojas mais baratas, preferindo comprar no Wal-Mart e em outras redes de varejo de massa.

Esperamos que esse comportamento continue neste Natal porque, dada a atual condição da economia norte-americana, 24 por cento de compradores online tendem a buscar alternativas mais em conta às marcas que geralmente compram“, disse o relatório.

De fato, a Wal-Mart Stores vem expandindo suas ofertas online. O site Walmart.com hoje vende produtos de saúde e beleza, e recentemente começou uma disputa de preços com a Amazon.com, ao cortar o preço de versões em capa dura de livros muito antecipados pelo público.

Por sua vez, a Amazon prevê que as vendas no trimestre de Natal podem superar em muito as estimativas iniciais de Wall Street.

Enquanto a expectativa é de que as vendas online aumentem, estas ainda representam apenas uma pequena fatia das vendas totais no Natal nos EUA. No ano passado, as vendas de Natal no varejo chegaram aos 441,97 bilhões de dólares, de acordo com a Federação.

Nicole Maestri – Reuters – 03/11/2009

Google admite digitalização sem permissão


googleChina: O Google admitiu ter digitalizado mais de 20 mil livros que estavam sob a proteção dos direitos autorais da China, informou o jornal China Daily.

Segundo o diário, a companhia norte-americana insistiu que os livros chineses foram digitalizados em bibliotecas dos EUA e alguns deles estavam disponíveis para uso público.

No entanto, Google também admitiu que pelo menos 20 mil livros estariam sob a proteção dos direitos autorais da China, explicou Zhang Hongbo, subdiretor da Sociedade China de Direitos autorais [CWWCS].

No último dia 21 de outubro, a CWWCS acusou o Google de digitalizar sem permissão e colocar em sua biblioteca digital, Google Books, obras de vários escritores chineses.

Zhang disse que após falar com Erik Hartmann, responsável na Ásia-Pacífico do Google Books, no próximo dia 16 de novembro a companhia americana proporcionará uma lista completa dos livros chineses digitalizados.

O vice-diretor da CWWCS afirmou que resolver o problema dependerá de futuras negociações e pediu à empresa que admita sua infração e se desculpe.

Mais de 50 escritores assinaram uma carta de protesto na qual exigem desculpas do Google e as correspondentes compensações, disseram a imprensa local.

A empresa pretende criar uma gigantesca biblioteca virtual, um serviço que oferecerá na internet livros completos, um projeto encontra grande número de opositores no mundo todo.
Google propôs um acordo com os editores e autores americanos para que recebam 63% do lucro que venha da digitalização de suas obras. No entanto, a CWWCS indicou que os escritores chineses não aceitam um acordo deste tipo.

Efe – 03/11/2009