Sites disponibilizam livros de graça


Forçando a barra, as editoras podem parecer bastante com fabricantes de medicamentos. Ambos ganham dinheiro fazendo um bem óbvio ­ curando, educando ­ e têm clientes que devem ter vontade de sacrificar seus últimos centavos para comprar o que essas empresas vendem. É esse fato que pode transformar subitamente bons sujeitos em maus, especialmente quando os preços que cobram são comparados com drogas genéricas ou livros comuns. Uma última semelhança, segundo R. Preston McAfee, professor de economia do Instituto de Tecnologia da Califórnia, é que tanto as editoras quanto as fabricantes de medicamentos se beneficiam com o problema de questões éticas ­ o médico que prescreve a medicação e o professor que exige um livro não têm de se preocupar com o custo e conseqüentemente nem pensam duas vezes nisso. “A pessoa que paga pelo livro, o pai ou o aluno, não o escolhe. Isso é desagradável”, conta. Em protesto aos altos preços de livros ­ e o empobrecimento do conteúdo para atingir o maior número de pessoas possível ­ McAfee pôs seu livro de introdução à economia para download grátis. Ele disse que poderia ter recebido US$ 100 mil [R$ 180 mil] antecipados pelo livro se seguisse o caminho tradicional de publicação, e a obra teria um preço aproximado de US$ 200.
Jornal do Brasil | 28/09/2008 | Noam Cohen

Sites disponibilizam livros de graça


Forçando a barra, as editoras podem parecer bastante com fabricantes de medicamentos. Ambos ganham dinheiro fazendo um bem óbvio ­ curando, educando ­ e têm clientes que devem ter vontade de sacrificar seus últimos centavos para comprar o que essas empresas vendem. É esse fato que pode transformar subitamente bons sujeitos em maus, especialmente quando os preços que cobram são comparados com drogas genéricas ou livros comuns. Uma última semelhança, segundo R. Preston McAfee, professor de economia do Instituto de Tecnologia da Califórnia, é que tanto as editoras quanto as fabricantes de medicamentos se beneficiam com o problema de questões éticas ­ o médico que prescreve a medicação e o professor que exige um livro não têm de se preocupar com o custo e conseqüentemente nem pensam duas vezes nisso. “A pessoa que paga pelo livro, o pai ou o aluno, não o escolhe. Isso é desagradável”, conta. Em protesto aos altos preços de livros ­ e o empobrecimento do conteúdo para atingir o maior número de pessoas possível ­ McAfee pôs seu livro de introdução à economia para download grátis. Ele disse que poderia ter recebido US$ 100 mil [R$ 180 mil] antecipados pelo livro se seguisse o caminho tradicional de publicação, e a obra teria um preço aproximado de US$ 200. FONTE: Jornal do Brasil – 28/09/2008 – por Noam Cohen